Quem sou eu

Minha foto
Desejam falar comigo? *Escrevam seus comentários, que assim que puder, entrarei em contato. Eu não uso outlook.

Pelo mundo

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Faz mais de um ano que não escrevo nada nos meus blogs e nesse período, aconteceram muitas coisas desagradáveis, que me desestimularam, em muito, a vontade de continuar escrevendo. Numa das minhas últimas postagens relatei, animada, a recuperação da minha mãe de seu câncer. Minha querida mãezinha trilhou o seu Calvário e infelizmente, a doença foi mais forte e a venceu, vindo ela a falecer final de outubro do ano passado (29/10/12). Já vai fazer um ano que não tenho mais sua presença física para me apoiar e ajudar. Sinto muito a falta dela e pra mim, parece que foi ontem que ela faleceu, eu e ela éramos muito ligadas. A dor da perda persiste até hoje. Pra completar, também estou doente, não do mesmo mal de minha mãe, mas fiquei diabética. Descobri há pouco tempo e seguirei a vida com muitas restrições alimentares, de hoje em diante, e pra quem amava um docinho, como eu, terei que me adaptar a minha nova condição de vida.
O que ilumina a minha vida é os afazeres da maternidade, o sorriso e o carinho da minha filha Clarissa, hoje com 1 aninho e 8 meses. Afazeres estes, que me afastaram um pouco do mundo virtual, levando-me até a um esquecimento, desaprendendo a mexer no computador e escrever nos blogs (apanhei pra escrever este pequeno texto). Enfim, depois de quase dois anos ausente, achei que era hora de dar um sinal de vida aos leitores e notícias do que estou passando no momento. Ainda sem previsão de volta, infelizmente, despeço-me e confesso que sinto saudades de todos, mas a minha inspiração, atualmente, anda meio abalada e a cabeça não tem funcionado pra ter novas ideias. Espero que todos compreendam e envio um recado a todas as mulheres que me leêm, aproveitando o outubro rosa, que simboliza a luta contra o câncer de mama: não deixem de fazer seus exames preventivos. O câncer de mama descoberto bem precoce, tem muitas chances de ser curado. Talvez, se minha mãe tivesse se cuidado e descoberto cedo, ela estaria comigo até hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário